Está offline. para recarregar esta página conecte-se a uma rede.
Hoje
/ 12º
Floresta

Autarca de Viana do Castelo anuncia intenção de avançar com classificação da Serra D’Arga como Área de Paisagem Protegida

  • Notícias
  • Autarca de Viana do Castelo anuncia intenção de avançar com classificação da Serra D’Arga como Área de Paisagem Protegida
O Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, anunciou hoje, durante a sessão de apresentação do Estudo de Valorização da Serra d’Arga, que é intenção dos municípios de Viana do Castelo, Ponte de Lima e Caminha avançar com a classificação da Serra D’Arga como Área de Paisagem Protegida.
Floresta | 19 junho 2019

O anúncio foi feito pelo edil durante a sessão de apresentação aos agrupamentos de escolas do Alto Minho do projeto de valorização da Serra d’Arga. Esta intenção dos três municípios está assente nos resultados dos estudos efetuados nos projetos de caraterização da paisagem, da flora, da fauna e geológica.

“Verifica-se que a Serra d’Arga é uma pequena joia do ponto de vista da biodiversidade, a conservar e valorizar para as gerações futuras”, sublinhou José Maria Costa.

Na sessão, que decorreu na freguesia da Montaria, no concelho vianense, foram apresentados aos agrupamentos todos os recursos, estudos, atlas e guiões do projeto para que “os jovens das escolas do Alto Minho conheçam, preservem e valorizem as valias da Serra e para que sejam os primeiros a defender este espaço único e irrepetível de biodiversidade e de paisagem”.

O projeto "Da Serra d'Arga à Foz do Âncora" incide sobre o território classificado como Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000 Serra d'Arga, correspondendo a uma área com 4.493 hectares, totalmente inserida na sub-região do Alto Minho, e cuja conservação florística e faunística é imperativa. A classificação daquele território como Área Protegida de âmbito regional pretende reforçar o seu caráter único enquanto ativo territorial e produto turístico emergente.

O projeto intermunicipal implicou um estudo entre o Vale do Âncora e o maciço serrano, que incluiu o levantamento das espécies existentes e permitiu ainda fazer o levantamento do património construído, mais de 600 exemplares, entre igrejas, cruzeiros, alminhas, moinhos, fontanários.

Foram efetuados atlas da flora, fauna e geologia, o inventário do património material, trilhos suportados por novas tecnologias através de uma aplicação móvel (app), um vídeo promocional e um documentário, reunidos numa página na Internet criada para o projeto. Pode consultar em www.serradarga.pt.

A investigação foi realizada pelas empresas Território XXI, Floradata, Wenature, Miew Creative Studio, no âmbito de uma candidatura dos três municípios a fundos do Norte 2020, no valor de 350 mil euros.

Resumo
Categoria
Floresta