Está offline. para recarregar esta página conecte-se a uma rede.
Hoje
16º / 18º
Sustentabilidade

Ciência Viva é no CMIA!

Neste Verão o CMIA recebe duas novas exposições itinerantes: "Evolução; Portugal de antes da História" e "A Tua Espécie Não me é Estranha", ambas provenientes do espólio de exposições itinerantes dos Centros Ciência Viva. A primeira aborda a temática da geologia e a segunda da biodiversidade de forma lúdica e interativa. O acesso é gratuito.
Sustentabilidade | 6 julho 2017

O Município de Viana do Castelo, na figura do Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental, recebe este verão duas novas exposições itinerantes: “Evolução; Portugal de antes da História” e “A Tua Espécie Não me é Estranha”.

A Exposição “Evolução; Portugal de Antes da História” é uma produção do Centro Ciência Viva de Estremoz, sob a coordenação da Escola de Ciências e Tecnologia da Universidade de Évora (ECT/UEVORA) e do Instituto de Ciências da Terra e com o apoio do Município de Évora.

Esta exposição transporta uma enorme diversidade geográfica do território de Portugal indissociável da sua grande variedade geológica; os granitos do Norte de Portugal, os xistos do Alentejo ou os calcários e argilas do litoral algarvio são apenas alguns dos exemplos que podem ser vistos ao longo da exposição. A aparente complexidade da Geologia de Portugal acessível a todos através de um conjunto de 10 painéis de grandes dimensões associados a uma coleção de cerca de 14 amostras de rochas de grande qualidade que exemplificam os principais momentos do nosso passado mais remoto. A forma ideal para perceber qual a relação entre a geologia de Portugal e a génese e destruição da Pangeia, o último supercontinente é um dos principais motivos para visitar esta exposição.

“A tua espécie não me é estranha” é uma exposição bilingue, que agrupa, em quatro ambientes distintos, 43 personagens de animação, classificando-as, rigorosamente, no Reino Animal. São animais terrestres, aquáticos, aéreos e outros já extintos que chegam ao visitante sob a forma de conhecidas animações da sétima arte, desde o século passado até aos dias de hoje.

Para cada personagem é apresentada uma contextualização cinematográfica - filme, ano e descrição - e a respetiva transposição para a vida real, com a taxonomia, as principais curiosidades e, sempre que possível, o estatuto de conservação da espécie.

Transversal a todas as idades e inserida no âmbito da Década das Nações Unidas para a Biodiversidade 2011-2020, o objetivo não se prende apenas com o salto prático da tela para a chave dicotómica mas também com a sensibilização embutida no mesmo. A biodiversidade tem de ser preservada, não apenas no nosso imaginário.

Apesar de se apresentar como uma coleção de caráter expositivo, composta por painéis informativos, A tua espécie não me é estranha ganha uma outra vida através de um conjunto de atividades e desafios que exploram, de forma geral ou em particular, toda a temática abordada.

A exposição “Evolução; Portugal de Antes da História” esta patente no CMIA até ao próximo dia 31 de agosto e a “A tua espécie não me é Estranha” estará patente ate ao próximo mês de novembro. Ambas as exposições são de entrada livre.